As grandes quantidades de resíduos de laticínios produzidos na Europa poderiam ser reciclados e usados para fazer tecidos, de acordo com a empresa de fibra suíça Swicofil, que comercializa fibras têxteis extraídas de proteínas do leite nos últimos anos. A empresa observa que das 88 milhões de toneladas de alimentos são desperdiçados na Europa a cada ano, 20% é de lacticínios. Isso equivale a 170 quilos por pessoa. Mas e se pudéssemos transformar alguns desses resíduos em produtos úteis?

A organização de caridade inglesa WRAP, que ajuda os indivíduos e as empresas a reduzir o desperdício, disse que 200 mil das 340 mil toneladas de leite desperdiçados só no Reino Unido por ano, poderiam ser evitáveis. É possível transformar os resíduos de laticínios em um material novo e surpreendente: fibras que podem ser fiadas e tecidas e usadas ​​para fazer roupas e outros produtos têxteis.

Beda Ricklin, CEO da Swicofil , uma empresa de fios e fibras com sede na Suíça, que vende fibras lácteas produzidas pelos fabricantes na China, diz que a fibra de leite é “um produto muito suave e macio”, que é usado principalmente para roupas usadas perto da pele, como meias e cuecas. Roupas feitas de fibra de leite são muito agradáveis de usar, como as fibras de luxo da caxemira ou seda. Mas a fibra de leite não é nova. Ela estava sendo usada para itens de vestuário e de decoração durante os anos 1930 e 40, como um substituto para a lã. Mais tarde, os sintéticos mais baratos, como nylon tornaram-se mais populares.

A fibra de leite pertence a uma classe de base biológica, fibras sintéticas conhecidas como fibras de proteínas regeneradas. É feita a partir da caseína, proteína, que pode ser separada do leite azedo. A caseína é dissolvida numa solução e em seguida forçada através de uma fieira – um dispositivo que se assemelha a uma cabeça de chuveiro – para produzir fios longos, que são então esticados, aquecidos e quimicamente tratados para aumentar a sua resistência e estabilidade. O fantástico video da Pathé mostra a produção de tecidos de leite em 1937. Por quê parou? Parou por quê?

No passado, os produtos químicos desagradáveis, tais como formaldeído foram usados para reforçar as fibras. Hoje em dia, a maioria das fibras de leite são misturadas com o ligante químico acrilonitrilo, que é também o principal componente de fio acrílico. As fibras vendidas pela Swicofil receberam a certificação internacional Oeko-Tex Standard 100 , o que significa que eles estão livres de vários produtos químicos que são prejudiciais para os seres humanos e o meio ambiente.

Os pontos positivos da fibra são de que ela tem um toque sedoso na pele, é bom em dispersar a umidade do corpo e tem excelentes propriedades de isolamento, mas tem um mercado limitado devido ao seu custo. Para efeitos de comparação, os custos de poliéster estão em torno US$ 1 a US$ 2 por quilograma, enquanto a fibra de leite custa de US$ 25 a US$ 35, embora seja mais barato do que outras fibras de luxo, como a seda.

Na Alemanha, um produtor afirma ter desenvolvido uma técnica para a criação de fibras de leite que usa apenas ingredientes naturais. Microbiologista, estilista e fundador da Qmilk, Anke Domaske, se interessou pela fibra de leite quando seu padrasto desenvolveu alergias após um diagnóstico de câncer e lutou para encontrar roupas que ele poderia usar.

Domaske estava à procura de um tecido livre de químicos e de pesticidas. “Quando eu ouvi pela primeira vez sobre fibra de leite eu estava muito entusiasmada, porque o leite é natural e saudável”, explica ela. “Mas quando eu descobri que o processo de fabricação utiliza lotes de produtos químicos fiquei muito decepcionada.”

Domaske diz que seu processo cria uma fibra que é “tão natural que você pode comê-la”. “É também antibacteriana, retardante de chamas, e reguladora de temperatura”, acrescenta. E pode ser lavada a 60 ° C. A fibra de Qmilk é produzida usando resíduos de laticínios alemães. “Na Alemanha, mais de dois milhões de toneladas de leite são desperdiçados a cada ano porque não é adequada para consumo humano”, diz Domaske.

De acordo com Domaske, um quilo de fibra de leite pode fazer cerca de seis camisetas, enquanto duas toneladas é suficiente para fazer uma camiseta para cada pessoa nos Estados Unidos – todos os 323 milhões, embora atualmente ela só faz vestidos.

Fonte : cordis.europa

Fonte: Stylo Urbano