A nova Associação Mundial de Investigação em Fibras Naturais vai ficar sediada na Universidade do Minho, numa iniciativa que conta já com membros de 15 países, do Reino Unido ao Japão. Uma valência adicional para a instituição de ensino superior que é já casa da plataforma internacional Fibrenamics.

A decisão de sediar a Associação Mundial de Investigação em Fibras Naturais (WANFR na sigla em inglês) foi tomada por unanimidade na 3.ª Conferência Internacional em Fibras Naturais (ICNF), que de 21 a 23 junho juntou em Braga 250 cientistas e profissionais de 40 países.

«A escolha da Universidade do Minho deve-se à sua experiência na investigação fundamental e aplicada, no desenvolvimento e na transferência de conhecimento neste domínio, bem como por ter organizado as três edições da ICNF e pela afirmação desta academia em termos de visão multidisciplinar, das parcerias internacionais e da capacidade de agregação de competências», sublinha, em comunicado, Raul Fangueiro, que irá presidir à associação.

A Associação Mundial de Investigação em Fibras Naturais será mais um passo decisivo na divulgação do potencial dos materiais fibrosos, tendo como objetivos colmatar algumas necessidades na transferência de conhecimento dos centros de investigação para o mercado, fomentar o trabalho colaborativo entre organizações do sector e integrar todas as partes interessadas na investigação em fibras naturais, desde a criação de conhecimento até à geração e comercialização de produtos inovadores. Para tal, a rede está aberta a pessoas (investigadores, técnicos, empresários), institutos (unidades I&D, universidades, centros tecnológicos), empresas e outras associações, contando atualmente com a pré-inscrição de membros de 15 países como Reino Unido, Argentina, Austrália, África do Sul e Japão.

«Vamos contribuir decisivamente para a disseminação e o avanço do conhecimento de excelência em fibras naturais e áreas afins», acredita Raul Fangueiro, que irá agora apresentar a WANFR em diferentes países, a começar pela participação na Conferência Internacional sobre Compósitos Inovadores de Fibra Natural, que decorre de 4 a 7 de outubro em Roma, Itália.

Um percurso de excelência

A Universidade do Minho tem-se destacado nesta área, sendo responsável, nos últimos anos, por um conjunto de iniciativas que têm demonstrado o potencial das fibras. Em 2011 foi lançado o projeto Fibrenamics, coordenado por Raul Fangueiro, que desde então tem dinamizado esta área de conhecimento com diversos eventos. A plataforma Fibrenamics foi já responsável pela organização de workshops (ver Porto com fibra), formações a área dos materiais fibrosos (ver Treino de fibra) e pela divulgação do “Extraordinário Mundo das Fibras”, um programa televisivo que mostrou ao público em geral o papel das fibras em diversas áreas do dia a dia, do desporto à construção e saúde (ver O império das fibras na TV).

Em novembro de 2016 foi lançada a plataforma Fibrenamics Green, com o objetivo de desenvolver produtos com a reutilização de resíduos e valor acrescentado (ver Inovação pinta-se de verde) e já em 2017 a investigação realizada neste âmbito foi reconhecida durante a Techtextil, com Luani Costa, aluna do mestrado em Construção e Reabilitação Sustentável, orientada pelos professores Raul Fangueiro e Luís Ramos, a vencer o primeiro prémio na categoria “microarquitetura” no concurso “Textile Structures for New Building”, uma parceria entre a Techtextil e a associação TensiNet (ver Têxtil inova na arquitetura).

«Quando criámos a plataforma Fibrenamics tivemos muito a preocupação em levar aquilo que eram os materiais têxteis e os materiais à base de fibras para outras áreas do conhecimento», explicou Raul Fangueiro, em declarações ao Jornal Têxtil, no passado mês de maio. «No âmbito desta plataforma temos tido a preocupação de elevar sempre o nível de conhecimento nesse domínio», indicou, acrescentando que os diferentes desafios «transportam-nos sempre para um nível de conhecimento diferente e obriga a ciência e o conhecimento a avançar», resumiu.

Fonte: Portugal Têxtil.